Resultado da sua Busca

  • Real Madrid: estádio e museu

    post em 09/11/2013

    A sensação é de admiração e inveja. Afinal, o meu time tem praticamente uma torcida do tamanho da população espanhola e não tem um terço da estrutura do Real Madrid. Custava expor a taça de 1981? Uma galeria da fama com os melhores jogadores? Uma TV mostrando os melhores gols de todos os tempos? Tenho certeza que toda a nação pagaria para ver e posar para uma foto. Mas como o meu time não quer ganhar dinheiro com os torcedores mostrando sua história, aqui na Espanha o Real Madrid deita e rola com sua fama. Só para vocês terem uma ideia, o museu madridista é um dos museus mais visitados da cidade junto ao Prado e o Reina Sofia. E é caro: custa 19 euros (ui!!) e assistir a um jogo, dependendo do campeonato, é quase impossível. A primeira fez que estive no Estádio Santiago Bernabeu foi no amistoso Espanha 1 X 0 Colômbia. Recém-chegada ao país fui aproveitar esta oportunidade ímpar. Afinal, sabe Deus quando poderia voltar ali. A partida foi em janeiro e logo de cara a novidade: o estádio tem calefação! Já pensou ar-condicionado no Maracanã?   Graças a generosidade de um grande amigo pude voltar mais vezes. Como os ingressos são destinados aos sócios sobram poucos para os pobres mortais. Quando alguém da família dele desiste de ir ao Bernabéu ele liga pra gente e lá vamos nós felizes e contentes.   Para quem nunca pôde frequentar o Maraca pelo fato de ser mulher tudo é novidade e espanto. Primeiro, basta chegar cinco minutos antes do jogo começar. Segundo, a sensação de segurança tanto dentro quanto fora do estádio. Por fim, o lanchinho obrigatório que todo mundo traz para comer no intervalo. Tem gente que critica e diz que a torcida do Real Madrid não tem emoção, não tem o calor de uma partida de futebol. Ora, eu prefiro assim. Só fui uma vez ao Maracanã ver o Flamengo jogar justamente por causa desse excesso de emoção.   Finalmente, quando uma amiga rubro-negra veio nos visitar, fui ao museu. O tour começa com uma visão espetacular do campo do último andar e em seguida, o visitante desce para percorrer a história do clube e suas conquistas. Estão ali expostos as taças, os antigos uniformes, ingressos, os recordes, fotos gigantes do time “galático” e um painel com os presidentes do Real Madrid com destaque para ele, Santiago Bernabéu. Emocionante são as homenagens aos grandes jogadores que passaram pelo clube: Di Stéfano, Pusckas, Raúl, Ronaldo. Todos com fotos, camisas e prêmios como a chuteira do Ronaldo.   Como não poderia deixar de ser há um espaço para a conquista da copa Intercontinental de 1998. Surpresa total ao ver a camisa do time rival! Pensei que fosse honraria, mas não! Era para mostrar a quem o Real Madrid havia derrotado por 3x0 naquele histórico dia.   Para finalizar, se percorre o gramado com direito a sentar nos bancos dos jogadores, e também o vestiário e a sala de entrevistas à imprensa. Como os cartolas do Madrid aprenderam direitinho, a saída é através loja onde existe todo tipo de lembranças para os fãs do futebol. Se a fome apareceu ali mesmo, ainda é possível ir aos restaurantes ou ao café que funcionam dentro do estádio. Quero ver alguém fazer o mesmo no Rio. __________________________________________________________________ Atualizando: a organização da exposição muda de ...

    » Ler mais
  • Guia de Turismo em Madrid

    post em 27/09/2018

    Olá, queridos leitores! Meu nome é Juliana Bezerra. Prazer. Obrigada por acompanharem o Rumo a Madrid. Precisa de um guia brasileiro para conhecer Madrid? Ou quer companhia para desbravar o Museu do Prado? Conte comigo! Sou formada em História pela PUC-RJ e faço passeios guiados em Madrid há seis anos. Igualmente, posso ajudá-lo a conhecer os museus mais emblemáticos da cidade como o Prado e o Reina Sofia. Igualmente, posso levá-los a museus não muito visitados pelos turistas, mas igualmente interessantes como o Museu da História de Madrid ou o Museu do Romantismo. Será um prazer mostrar a capital da Espanha para vocês! Leia abaixo a descrição dos tours em Madrid e escreva para mim para mais detalhes: jubmp@hotmail.com ¡Bienvenidos! Passeio pelo centro de Madrid - conhecendo os principais pontos da Madrid dos Áustrias como a Porta do Sol, o Palácio Real, a catedral, e a Plaza Mayor dentre outros pontos de interesse. Duração: 4 horas. Bairro das Letras e Parque do Retiro. Além do centro de Madrid descrito acima, conheceremos o mítico bairro das Letras que foi morada de grandes escritores como Cervantes e Lope de Vega. Por fim, exploraremos o parque do Retiro e suas belezas. Duração: 4 horas. Museus Observação: o ingresso deve ser comprado com antecedência. Museu do Prado - Percorrendo as principais galeria de um dos maiores museus da Europa. Descubra as obras de Velazquez, Goya, Zurbarán, El Greco, Ticiano, El Bosco e muitos outros. Duração: 2 horas. Museu Reina Sofia - Perca o medo de arte contemporânea! Venha contemplar Picasso, Salvador Dalí, Juan Gris, Oskar Schlemmer e outros artistas modernos no Museu Reina Sofia. Duração: 2 horas. Museu do Romantismo - venha descobrir como viviam os burgueses madrilenhos do século XIX num museu localizado num antigo palacete. Ebcante-se com a recriação dos cômodos e admire as obras de arte dos grandes maestros espanhóis como Federico de Madrazo, José Aparício Inglada ou Antônio Maria Esquivel. Museu da História de Madrid - entenda como a pequena cidade de Madrid se transformou na capital do Reino da Espanha a partir de 1561. Conheça a evolução urbana de Madrid através de mapas, maquetes e objetos que recriam o ambiente da cidade. E o que melhor: sem pagar nada, pois o museu é gratuito! Consulte as opções de passeio temáticos por museus, igrejas, época histórica e estilos arquitetônicos. Para mais informações escreva para: jubmp@hotmail.com  ...

    » Ler mais
  • Lusitania: Madrid-Lisboa de trem

    post em 12/07/2016

    Quem vem à Europa, geralmente, aproveita para conhecer mais de uma cidade. Afinal, trata-se de uma viagem longa, cara e que foi intensamente planejada. Um dos destinos preferidos para os turistas brasileiros que vem a Madrid, além de Barcelona, é fazer um combinado com Lisboa. Acho que nem preciso divagar muito sobre as razões que nos levam à capital portuguesa, pois parece um pouco óbvio. Por muita implicância que temos e piada que fazemos, é inegável querer visitar uma das nações que deram origem ao Brasil. Assim, que tal ir de trem de Madrid a Lisboa ou vice-versa? Trem Lusitânia Viajar de trem pela Europa está no imaginário do turista brasileiro. Como já não podemos fazer isso no Brasil, só resta aguardar a tão sonhada viagem às Zoropa para realizar este desejo. Infelizmente, as passagens de trem são caras e alguns trajetos demoram mais. Porém, o trem ganha de longe no quesito conforto e dependendo do lugar, as estações ferroviárias estão mais bem localizadas que os aeroportos. Com isto em mente, uma boa opção para ir a Lisboa pode ser o trem noturno Lusitânia, que sai diariamente da estação de Chamartín em direção capital portuguesa. A viagem dura nove horas e cinco minutos, e faz paradas em várias cidades da Espanha e de Portugal, e é o máximo dormir em Madrid e acordar em Lisboa, ou vice-versa. Confira as classes disponíveis no trem Lusitânia: Turista: O viajante pode optar por ir sentadinho na poltrona, mas é preciso levar em conta se você tiver menos de 30 anos ou se estiver no seu primeiro mochilão, pois fatalmente todos os seus músculos estarão doendo no dia seguinte. Cama preferente: Também é possível dividir uma cabine com quatro camas (duas beliches) com outros passageiros. Neste caso, não há banheiro na cabine, somente o lavabo. As cabines são separadas por sexo e é basta torcer para ninguém roncar que a viagem será agradável. Cama gran classe: Mas a cereja do bolo é poder viajar numa cabine privativa, com uma beliche, banheiro com chuveiro e uma necessáire com objetos de higiene pessoal. É mais caro, entretanto a privacidade e o conforto estão garantidos. Como a crise apertou, o vagão-restaurante foi eliminado e agora só há cafeteria. Nada contra, mas esqueça a ideia de romântica de um vagão-restaurante, iluminação baixa e um inegável clima de mistério no ar. As cafeterias ficam cheias e não é incomum acabar a comida no meio da viagem, sem falar nos preços proibitivos. Melhor levar um lanchinho na mochila e comer na cabine. Viajei neste trem em 3 ocasiões distintas. A primeira fazendo um mochilão e achei sensacional a ideia de reviver as minhas viagens de trem Rio-Belo Horizonte (sim, peguei este tempo). O dinheiro só me permitiu comprar uma passagem de poltrona e realmente não foi uma experiência das mais confortáveis, mas nada que minha felicidade por estar pela primeira vez na Europa não compensasse. Para dar o troco, na viagem Madrid-Paris, resolvi me dar de presente ir numa cabine com mais quatro coleguinhas. Graças a Deus ninguém roncou! Nas demais ocasiões estava bem acompanhada e fui na Gran Classe. Realmente, é como brincar de casinha, pois as dimensões da cabine são exíguas. No entanto, em poucos minutos estávamos acostumados e, inclusive, foi possível tomar banho. Posso falar com propriedade que dormir com o balanço do trem é uma experiência única e que deveria estar na listinha de desejos de quem gosta de se aventurar neste mundão. Valores Os preços da passagem variam de acordo com a classe, mas principalmente, de acordo com a temporada. No verão, alcança fácil de 48 euros a 162 euros e os trens lotam! Já de setembro a dezembro (exceto no período das festas de ...

    » Ler mais
  • Palácio Real de la Granja de San Ildefonso

    post em 13/06/2016

    Todo mundo já ouviu falar de Segóvia e do seu ultra-mega-famoso Aqueduto que merece a visita. Aliás, cada vez mais a cidade é preferida pelos brasileiros, junto a Toledo para fazer um famoso bate e volta de Madrid. Muito bem, queridos! Mas pertinho dali há uma atração maravilhosa que vale a pena ser visitada, tanto no inverno quanto no verão, pois cada estação guarda seu charme e beleza. Está há 13 quilômetros de Segóvia e a 80 quilômetros de Madri. Trata-se do Palácio Real de la Granja de San Ildefonso, complexo construído pelo rei Felipe V, tal qual sua Versalhes natal. Como ?? O rei da Espanha era francês? Calma, gente! Sou professora de história, lembram-se? A tia está aqui para isso! O rei espanhol Carlos II, da Casa Áustria, não teve filhos. Isto sempre era um problema, porque a primeira obrigação do soberano é gerar um herdeiro que dê continuidade à família. Pois bem, quem seria o próximo rei da Espanha? A solução foi procurar entre os descendentes próximos - filhos (homens, bem entendido) - sobrinhos do rei falecido. Assim, as nações grandes nações europeias se reuniram para decidir quem seria o próximo rei da Espanha. Como ?? Sem consultar os espanhóis? Sim, eles estavam presentes, mas como sempre, cada um também tinha suas preferências. Vou poupar vocês dos detalhes, mas haviam dois fortes candidatos: José Fernando de Baviera, do Sacro-Império Germânico e Felipe, filho do príncipe francês Luis de França, ambos sobrinhos-netos de Carlos II. Com a morte de José Fernando, os franceses se sentiram livres para impor "seu" herdeiro. Entretanto, foram necessários 15 anos de guerra até que Felipe V fosse aceito pelos demais reinos europeus como rei definitivo. Ufa! Consegui explicar mais ou menos? Então, vamos continuar o passeio: Quando visitar? No inverno ou no verão, a beleza do lugar é garantida. Como só a visitei na primavera, no mês de junho, deixo o relato da minha amiga Sandra Brockson, sobre seu passeio durante o inverno. A cidade Praticamente construída à sombra do palácio, pois a corte queria ficar perto do Rei quando este passava o verão ali. Assim, várias casas e edifícios eram antigas residências de nobres que se mudavam para ali. Novamente, assim como aconteceu em Buitrago de Lozoya, os deuses das viagens nos agraciaram com a Feira Barroca e pude ver várias pessoas vestidas como no século 18. Um detalhe: a única diferença entre as Feiras Medievais e Barrocas na Espanha são os trajes, pois os produtos vendidos nas barracas são os mesmos! A Feira Barroca acontece, geralmente, no primeiro fim de semana de junho. Real Colegiata da Santíssima Trindade A igreja é feita em estilo barroco, com profusão de dourados, um órgão e belas pinturas. Na lateral, uma capela guarda os restos de Felipe V e de Isabelde Farnseio, num túmulo de mármore. A sepultura dos monarcas está ladeada por anjos e ao pé estão esculpidos símbolos da monarquia como a coroa e o cetro. Infelizmente, não está permitido tirar fotos deste lugar. Jardins Planejado em estilo francês é uma delícia passear por suas ruas arborizadas e encontrar, no final de cada uma delas, rotundas onde estão esculturas de deuses gregos e fontes que fazem a delícia dos visitantes no verão, pois é possível curtir o espetáculo das águas. Cuidado para não ficar muito próximo e tomar um banho!! De qualquer maneira, um pouco de água no seco verão segoviano cai muito bem... Palácio Real As obras de construção ...

    » Ler mais
  • Real Academia de San Fernando

    post em 01/05/2016

    A Real Academia de San Fernando é considerada uma das pinacotecas mais importantes da cidade, mas não recebe atenção como suas colegas, Museu do Prado e Museu Thyssen. Por que será? Está certo que a coleção não possui a quantidade de obras que seus congêneres, mas em termos de qualidade não fica a desejar: Zurbarán, Rubens, Van Loo e até Juan Gris e Picasso. Acho que falta também um publicitário em marketing que faça as pessoas entrarem no belo edifício neoclássico. Inteiramente reformado para abrigar a escola de Belas-Artes, a instituição funcionou com esta finalidade até o século 21 quando o curso passou à Universidade Complutense. Foram-se os alunos, mas ficou uma interessante coleção de esculturas que reproduziam as grandes obras para os estudantes praticarem. Imediatamente me lembrei do Museu Nacional de Belas-Artes do Rio, cuja coleção de deuses gregos estava ali com este fim. Criada sob reinado de Fernando VI, abundam retratos do soberano, e de seu esposa, a portuguesa Bárbara de Bragança. Outros membros da família real também estão representados ali, pois o retrato real foi cultivado por todas as cortes. Assim temos várias pinturas e estudos para as futuras estátuas equestres dos soberanos espanhóis e suas famílias. Da mesma forma, arquitetos de todo mundo ficarão felizes de ver os planos de Madri, do século 18 e de Barcelona; assim como plantas e maquetes de vários edifícios emblemáticos da capital espanhola e de outras cidades. Alguns destaques: O museu guarda algumas preciosidades como o quadro "Primavera" do italiano Giuseppe Arcimboldo, o único que se conserva na Espanha. Interessante é a sala de música onde se expõe um violão do compositor Andrés de Segóvia e pianos pequenos usados pelas famílias burguesas durante o século 19. A estrela da coleção são as obras de Goya, tanto gravados como suas pinturas e um gabinete especialmente dedicado às suas águas-fortes. Para quem gosta de emoções fortes, convém apreciar o conjunto de José Ginés, "A degola dos inocentes". As mães revidam com uma violência incrível e vingam seus bebês assassinados. Sinistro!   Onde? Calle Alcalá, 13. Metrô Porta do Sol, L1,L2 e L3. Quando? Terça a domingo de 10:00 a 15:00 horas, incluindo feriados. Segunda fechado. Mês de agosto ferrado. Quanto? 8 euros...

    » Ler mais
  • Castelo de Manzanares, o Real

    post em 18/04/2016

    Os castelos exercem uma atração irrestível na humanidade. Afinal, fomos criados ouvindo histórias de príncipes e princesas vivendo em castelos e palácios. Quem não tem curiosidade em saber como se vivia ali? Quem vem a Madrid pode visitar o castelo de Manzanares, el Real, também conhecido por Castelo de los Mendonza, pois a propriedade pertenceu a esta família. Como o único atrativo da região é o castelo, o passeio pode ser complementado com uma visitinha ao El Escorial ou ao Vale dos Caídos. A melhor maneira de se chegar ali é de carro, mas tem ônibus que sai da plaza de Castilla. Confira mais detalhes no final do post. Ainda há opções de fazer visita teatralizada, mas infelizmente, não tive esta oportunidade e ficará para uma próxima ocasião. O castelo foi construído sobre um forte do século 11 e inteiramente remodelado no final do século 15. Habitado até 1566, o castelo domina a paisagem entre a serra de Guadarrama e o açude de Santillana. Rodeado por um jardim somos recepcionados por música de estilo mais céltico que renascentista saindo de caixas de som. Ao meu ver, prefiria contemplar a paisagem em silêncio do que esta duvidosa escolha musical, mas nada que estragasse o meu dia. Antes de chegar a entrada principal do castelo, damos uma volta rodeando a muralha e é possível conhecer as partes exteriores através dos painéis que se encontram no mirante. Ao entrar, logo no início, o visitante descobre a história do lugar, e do seu proprietário, Pedro González de Mendoza, que o embelezou, mas não chegou a ver as obras concluídas. As crianças vão se divertir com as ilustrações animadas sobre os costumes da época, como a caça, vida religiosa ou o cotidiano. Decorado em estilo isabelino, as obras foram realizadas por Juan Guas, mesmo arquiteto que construiu o Mosteiro de San Juan de los Reyes, em Toledo. Possui quatro torres, pátio interno e uma bela coleção de tapetes com temas religiosos e da vida do imperador romano Júlio César. Como a construção ficou abandonada durante trezentos anos e foi recuperada somente no século 20, a maioria dos móveis ali expostos não são originais, mas ajudam o visitante a compor como deveria ser a vida naqueles tempo, mais dura e desconfortável do que os contos de fadas nos faziam crer... Destaque para os aposentos das damas, a sala de jantar e as escadas caracóis de madeira e pedra que parecem nunca terminar. Para alegria de todos os fãs deste período histórico, é permitido caminhar pelo alto da muralha! Imediatamente, imaginei como seria travar uma batalha dali. A cidade que circunda o castelo é pequena e não tem mais nada de interessante, mas é possível encontrar restaurantes simples que vão oferecer os pratos de sempre da culinária espanhola, hamburgueres ou simplesmente, porções para beliscar, caso você queira seguir seu passeio para o El Escorial. Como chegar: De carro Saída de Madrid pela auto estrada de Colmenar M-607 até o encontro com a M-609, direção Colmenar Viejo. Posteriormente se encontra com a M-862 e finalmente, com a M-608. Total 53 quilômetros. Ônibus: Intercambiador de Plaza de Castilla, Línea nº 724. Para chegar a plaza Castilla, utilize as linhas L10 e L9, do metrô. Horário Horário de inverno ( 1 de outubro a 31 de maio): Edifício principal: de terça a sexta, de 10 a 17.30 horas. Sábados e domingos, de 10 a 18.00 horas (segunda fechado). Bilheteria: de 10 a 17 ...

    » Ler mais
  • Vecinos – teatro em Madrid

    post em 17/01/2016

    O bairro de Lavapiés está cheio de teatros pequenos onde é possível desfrutar de peças, shows e conferências por um preço razoável. Em cartaz no teatro El Umbral de la Primavera, a peça Vecinos*, encenada pela companhia L'Azotea Teatro, uma reflexão sobre os tempos de aparência que vivemos hoje. Um dos maiores pecados do nosso tempo é a inveja. Desde que as redes sociais pela Internet foram criadas o ser humano experimenta este pecado capital com mais frequência. A peça “Vecinos” usa este sentimento tão negativo como detonador dos problemas do casamento entre Sílvia e Jerônimo, um retrato da geração que acredita que o consumo resolve todos os problemas existenciais. Sílvia desconta suas frustrações acumulando sapatos e conselhos de livros de auto-ajuda; enquanto Jerônimo está a par de todos os últimos modelos de televisores do mercado. Ambos também frequentam a academia e praticam esportes, mais pelo status que isso representa do que pela promessa de vida saudável. Escrita por Alejandro Butrón (que também atua) e Andrés Galán, a peça “Vecinos” é baseada livremente no conto homônimo do americano Raymond Carver. Dirigida por Nacho León, Alejandro Butrón e Paula Grueso, dão vida aos múltiplos personagens que povoam a história com segurança e enfatizando os distintos registros de cada papel. A peça discorre na intimidade do apartamento dos casais, na academia ou ainda nos sonhos de Silvia com o autor dos livros que lê, mas sempre num ambiente de intimidade onde o espectador e atores estabelecem cumplicidade de velhos camaradas. Não é difícil se identificar com os dilemas do casal que tem como principal assunto o novo catálogo de lojas de móveis e a última fofoca dos vizinhos abastados. Este mundo aparentemente harmônico se deteriora quando Alberto e Elena pedem de Sílvia e Jerônimo cuidem do apartamento e da gata de estimação durante uma viagem. O casal adentra – literalmente – em este espaço sagrado que se tornou a casa. Estar ali, sem os proprietários, termina por sacudir a relação de Sílvia e Jerônimo que começam a imaginar como realmente seria a vida deles se vivessem naquele lugar. Presos nesta ilusão, o casal tenta escapar da armadilha mais comum da sociedade atual: a grama do vizinho será sempre mais verde, ainda que a custa de agrotóxico. Vecinos Onde? El Umbral de la Primavera. Calle de la Primavera, 11 – Metro: Lavapiés Quando? 22 e 29 de janeiro, às 22:30. Quanto? 12 (antecipado) e 14, na bilheteria. Informação e reservas: 605 849 867. elumbraldeprimavera@gmail.com Gostou? Descubra quanto custa ir ao teatro em Madri....

    » Ler mais
  • Teatro Real 200 Anos

    post em 12/12/2015

    O Teatro Real completará 200 anos de existência em 2018 e vinte anos de sua reabertura como casa de ópera em 2017 e as comemorações desta efeméride única vão durar três anos. A largada para a celebração foi dada na sexta-feira, dia 11, quando a diretoria do Teatro apresentou a programação para o próximo triênio, seguido de um belo concerto da Orquestra e Coro do Teatro Real, regidos pelo maestro titular Ivor Bolton, o maestro convidado Pablo Heras-Casado e o maestro do coro Andrés Máspero. A plateia recebeu um excelente presente: a distribuição de um CD duplo preparado pela Universal Music com árias das óperas que serão encenadas no Teatro Real. Para celebrar uma data especial, o Teatro Real vai conciliar a tradição e a modernidade encenando títulos tão consagrados como Aida, de Verdi; Fausto, de Charles Gounod ou Parsifal, de Wagner; mas também compositores do século 20 como Kurt Weill cuja obra "Street Scene" contará com o consagrado barítono brasileiro Paulo Szot no elenco. Igualmente haverá três estreias mundiais e 26 co-produções com teatros europeus e latino-americanos, dentre os quais incluem o Teatro Municipal de São Paulo. Para completar a participação latino-americana está prevista a encenação de Yerma, de Villa-Lobos e Bormazo, do argentino Alberto Ginastera e a estreia de Le malentendu, do argentino Fabián Panisello (1963) . Das 43 óperas encenadas nas temporadas 2016-2018, 28 serão escutadas pela primeira vez no Teatro Real. Afinal, o teatro conheceu as reveses políticas da Espanha, e alternou dias de glória quando recebeu o próprio Verdi para a estreia espanhola de La forza del destino, com dias de abandono quando ficou fechado por quarenta anos devido à guerra civil e penúrias econômicas. O concerto de sexta, transmitido ao vivo pela TV espanhola, refletiu esta vontadade de fazer um grande panorama da cena operística em quatro séculos. Começando por "Rodelinda", de Händel, passando pelo emotivo coro de Otello, de Verdi; ou Billy Bud, de Benjamin Britten e terminando triunfalmente com a orquestra executando a abertura de O holandês errante, de Wagner. Um aniversário desta envergadura não poderia deixar de contar com participações de outras instituições da cidade como o Teatro Canal que abrigará óperas contemporâneas como El caballero de la triste figura, de Tomás Marco. A Orquestra Nacional da Espanha e as orquestras de Madri, bem como o coro, se juntarão às apresentações. Também instituições como a Filmoteca Espanhola e a Fundação Juan March se somam à festa oferecendo ciclos de música de Bertold Bretch quando Moisés e Arãao, de Schomberg for encenada. E para que ninguém fique de fora desta festa, o Teatro Real pretende continuar com a transmissão de suas obras através da transmissão colocando telas na fachada do teatro, via satélite ou da Internet para diversas cidades espanholas e do continente latino-americano. Com intuito de aproximar os jovens do mundo lírico, um importante projeto educativo desenvolvidos através do "Programa Educativo" e a "Aula Social". Confira os títulos que serão encenados durante a celebração dos 200 anos do Teatro Real: Giasone, de Francesco Cavalli (1602-1676), Rodelinda, de Georg Friedrich Händel (1685-1759), Catone in Utica, de Leonardo Vinci (1690-1730) e Lucio Silla, La clemenza di Tito e La flauta mágica, de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791). I puritani e Norma, de Vincenzo Bellini (1801-1835), Lucia di Lammermoor y La favorite, de Gaetano Donizetti (1797-1848); La prohibición de amar, El holandés errante e Parsifal, de Richard Wagner (1813-1833); Macbeth, Aida y Otello, de Giuseppe Verdi (1813-1901); Faust, de Charles Gounod (1818-1893) e Carmen, de Georges Bizet (1838-1875) e, finalmente, três títulos de Giacomo Puccini (1858-1924): La bohème, Madame Butterfly e Turandot. Yerma, de Villa-Lobos (1887-1957) e Bormazo, Alberto Ginastera (1916-1983); El emperador de la Atlántida, Viktor Ullmann (1898-1944), Street Scene, de Kurt Weill (1900-1950), Os soldados, de Bernd Alois Zimmermann (1918-1970). O galo de Ouro, de Rimsky-Korsakov (1844-1905); Moses und Aron, ...

    » Ler mais
  • Real Seguro Viagem

    post em 19/10/2015

    Viajar é bom e abre os horizontes e a cabeça, no entanto, imprevistos acontecem (toc, toc, toc) como uma comida que não caiu bem, um pisão mal dado ou mesmo um resfriado forte que estraga os planos. Para isso, nada melhor que estar prevenido com um seguro de viagem e não custa lembrar que ele é obrigatório para quem visita o Espaço Schengen. Todo mundo contrata o serviço de seguro na esperança que não vá usá-lo e é melhor que seja assim. De qualquer forma, é sempre bom estar prevenido e não dar chance para o azar. Nosso site tem parceria com a Real Seguro Viagem, um comparador de preços que indica qual é o seguro mais em conta. Se você fecha pelo Rumo a Madrid, ganho uma comissão, ajuda a manter o site no ar com várias dicas sobre Madri e todo mundo fica feliz! Assim, na sua próxima viagem, pesquise seu seguro por aqui!...

    » Ler mais
  • Temporada de Ópera do Teatro Real: Roberto Devreux

    post em 16/09/2015

    Terça, dia 22, será aberta a temporada de ópera do Teatro Real, em Madri. A obra escolhida para o início dos trabalhos foi Roberto Devreux, de Gaetano Donizetti; e os Reis da Espanha já confirmaram presença para mostrar seu prestígio às artes.Esta ópera foi escrita pela compositor em um momento muito conturbado quando sua esposa e o filho haviam morrido no parto. Com eternos problemas de dinheiro, guardando luto pelos seus entes queridos e tendo mil encomendas para entregar, Donizetti compôs o drama da rainha Elizabeth, da Inglaterra, que se apaixona por um nobre da sua corte que por sua vez é amante da sua melhor amiga. Para completar, este mesmo nobre, Roberto Devreux é acusado de traição à coroa e para completar o drama, é o melhor amigo da marido da amante.         Tão interessante quanto a òpera é a programação paralela ofrecida pelo Teatro Real para complementar a experiencia. Há exposição de figurinos de ópera no Museu Romântico (a partir de 18/09), encontro com parte do elenco (dia 16/09), concertos de câmera interpretados por músicas da Orquestra da casa no mesmo Teatro Real (dia 04/10, às 12h), e o concerto "Vamos de Reinas", sobre músicas de rainhas inglesas (dia 04/10, às 21h e 17h). A ópera será regida pelo italiano Bruno Campanella, direção cênica do sul-africano Alessandro Talvi e nos papéis principais teremos o tenor Gregory Kunde, a mezzo espanhola Silvia Tro Santafe e a soprano italiana Mariella Devia, considerada uma das melhores intérpretes da rainha Elizabeth da atualidade. A nota emotiva foi quando o tenor Gregory Kunde começou a agradecer ao maestro Campanella a oportunidade de cantar mais uma vez sob sua batuta. Emocionado, Kunde não se conteve e começou chorar. Na hora pensei que se tratava de algum parente que tinha falecido (sei lá), mas ao perguntar ao oráculo do século 21, descobri que ele esteve se recuperando de um câncer que o afastou dos palcos. Kunde tem razões de sobra para estar agradecido e será a sua estreia neste papel. No mais, este ano, ainda temos Alcina, Rigoletto, A Flauta Mágica, Parsifal, etc. Mantenho vocês informados! Roberto Devreux Quando? 22, 24,25, 27, 28, 30 de setembro e 1, 3,4,7 e 8 de outubro. 20h e domingos, às 18h. Quanto? O preço da entrada varia de 11 euros (oba!) a 382 euros (afe!) e os ingressos podem ser adquiridos através do site do Teatro Real.  ...

    » Ler mais

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers