Alcalá de Henares

(post em 21/10/2013)


A cidade de Alcalá de Henares já foi o principal entroncamento da Espanha quando esta fazia parte do Império Romano. No século 15 foi fundada a universidade protegida pelos reis católicos e parte do clero se formava aqui. Além disso, a cidade é a terra natal de um dos maiores escritores da literatura mundial, Miguel de Cervantes.

Conheço bem a cidade porque morei ali durante um ano enquanto fazia mestrado. A cidade é grande para os padrões espanhóis – mais de 200 mil habitantes – e tem uma vida cultural intensa. Afora as obrigatórias festas dos santos padroeiros e da feira medieval, Alcalá de Henares acolhe todos os anos a entrega do Prêmio Cervantes, entregue pelo Rei Juan Carlos I ao melhor escritor de língua espanhola; abriga o festival de Artes Cênicas (normalmente em junho) e realiza a mostra de curtas metragens, Alcine, em novembro.

Quantos dias preciso? Um dia inteiro de muita caminhada já é possível conhecer a cidade. Mas se você quiser ver todas as atrações e entrar nos museu serão necessários dois dias.

Como chegar: De trem: da estação de Atocha partem as linhas C-2 (destino Guadalajara) ou C-7 (destino Alcalá de Henares). Preço: 2,80 (ida). De ônibus: do terminal de Avenida de América sai a linha 223. Preço: 3,05 (ida)

Carro: Alcalá de Henares está a 30 minutos de carro pela M-30. Se você quiser, alugue um carro no buscador ao lado do post. Está em portugués e reúne as principais agências de aluguel de carros na Espanha. Lembrando que se você fizer o aluguel aqui pelo nosso site eu ganho uma comissão que ajudará a manter o Rumo a Madrid no ar.

O que ver: Palácio de Laredo Praça Cervantes Calle Mayor Casa Museu Cervantes Museu Arqueológico Regional da Comunidade de Madri Catedral Magistral dos Santos Justo e Pastor Universidade de Alcalá Museu de Escultura ao Ar Livre

Palácio de Laredo

DSC03961O palacete de Laredo está ao lado da estação de trem de Alcalá de Henares. Ele foi construído pelo arquiteto Manuel José Laredo y Ordoño, em 1884. Escultor, pintor, restaurador e prefeito de Alcalá ele decorou os cômodos com um estilo de época diferente; já o exterior fez em estilo neomudéjar, uma releitura daquele consagrado pelos muçulmanos no sul da Espanha. Igualmente, lá funciona o Museu Cisneros, cardeal que tanto fez pela cidade. O religioso fundou a Universidade, foi confessor de Isabel, a Católica e regente da Espanha duas vezes. Estão expostas as Bíblias que ele mandou recompilar em três línguas: grego, hebraico e latim. Há também um exemplar da Bíblia traduzida em aramaico. A sensação é que você está visitando várias épocas distintas: a de Cisneros, no séc. XVI, a de Laredo no séc. XIX e a de cada sala. Além disso, há maquetes explicando como era a cidade no séc. XIII e XVII. Inclusive a roupa que deveria ser pelos universitários da época, uma espécie de beca marrom com uma dobra triangular no peito. O ponto alto da visita é o salão de bailes onde se promoviam as festas. Ele faz uma homenagem a todos os reis espanhóis dos séc. XIV e XV, destacando Isabel e Fernando, os reis católicos. No entanto, a história de Laredo não termina bem. Sem dinheiro para terminar o palácio, ele deixa vários quartos sem decorar e o vende apenas 15 anos após tê-lo comprado. Triste, não?

Praça Cervantes DSC03999Toda cidade pequena tem que ter sua praça e seu coreto. Em Alcalá de Henares não é diferente. No meio da praça, Cervantes toma conta da sua cidade natal. Nas ruas laterais estão restaurantes e bares para comer depois do passeio. Igualmente, o centro de informações turísticas onde você poderá comprar os ingressos para os monumentos e museus da cidade. Ali também está a torre de Santa Maria que fazia parte da igreja de mesmo nome, mas foi destruída na guerra civil espanhola (1936-1939). O que restou da igreja foi transformado no Centro de Interpretação Cervantes com exposição permanente e temporal sobre o mais ilustre filho de Alcalá. Lá estão conservados a pia batismal e os registros de batismo de toda a família. Vale a pena encarar os 109 degraus para contemplar a vista e depois seguir para a calle Mayor.

Calle Mayor

DSC03236Chegando à Praça Cervantes, em Alcalá de Henares, é melhor começar o recorrido pela calle Mayor e admirar quando três religiões diferentes conviveram lado a lado. Cristãos, muçulmanos e judeus ocupavam espaços distintos na cidade, mas nem por isso se hostilizavam ou se matavam. Ao contrário. Contando que todos pagassem os impostos ninguém era incomodado. Percorrendo a calle Mayor podemos imaginar como as pessoas viviam intercambiando conhecimento e mercadorias. Nas paredes estão assinalados onde estavam os principais prédios de cristãos, muçulmanos e judeus; bem como o limite de cada bairro. A calle Mayor é calçada com paralelepípedos e ali se encontram lojas de doces, roupas e bares para tomar um café. Como não poderia deixar de ser ali fica a maior atração da cidade: a Casa Museu Cervantes.

 

Casa Museu Cervantes

DSC03242O museu foi criado em 1956 e procura recriar o ambiente de uma família abastada do século 16 e 17. Na casa se guarda a botica do pai de Miguel, Rodrigo Cervantes, e uma coleção dos livros do escritor editadas em várias línguas. Também é possível visitar a igreja (hoje museu) onde ele e toda sua família foram batizados. Em frente à Casa, a foto cartão postal de todo turista. Inaugurada em 2005 e de autoria de Pedro Requejo Novoa, ali estão sentados em um banco as estátuas de Dom Quixote contando alguma aventura a um distraído Sancho Pança, mais preocupado em cortar pedaços do seu lanche. Como era de se esperar há filas para fazer uma foto com os dois personagens mais queridos da literatura espanhola.

Horário: Terça a domingo: 10.00 a 18.00 horas (Última visita: 17.30 horas) Fechado às segundas-feiras nos dias 1 de janeiro, 24, 25 y 31 de dezembro.

Entrada gratuita

Endereço: Calle Mayor, 48 28801 Alcalá de Henares Tel.: 918899654

Praça das Bernardas Depois da visita ao Museu Casa Cervantes deixo com o viajante a dúvida cruel: ir direto para catedral ou para a praça das Bernardas? Na Catedral tem a torre, o museu e é vizinha à ermida de Santa Lúcia, onde a comunidade polonesa se reúne. Porém, se dobrar à direita, na calle Del Empecinado, vai encontrar o oratório de são Felipe Neri, o Palácio Arcebispal, o Convento das Bernardas e o Museu Arqueológico. Hummm. Decisão complicada, eu sei!

 

Museu Arqueológico Regional

DSC03271Como quase tudo em Alcalá de Henares, o museu fica em um antigo convento fundado no século 16. Algumas pinturas ainda estão aparentes e a cúpula é linda. Durante a invasão napoleônica, o edifício foi usado como estábulo e depósito de armas; em 1835, passaria às mãos do Estado quando os bens da Igreja foram desapropriados. Finalmente, na década de 80 do século 20, recuperado e transformado em museu. Aberto em 1999, lá estão expostos vários fósseis de elefantes, tigres e outros animais que habitavam a região. Há um vídeo explicando como os homens primitivos faziam cerâmicas e como lascavam as pedras até as transformarem em lanças. Há reproduções nas quais você pode tocar! Continuando o itinerário estão ali objetos das ocupações romana, visigoda, árabe até chegar à conquista cristã. Tudo isso acompanhados de mapas e belas legendas que fazem a exposição ser didática e agradável. No final, uma explicação sobre o trabalho dos arqueólogos e da arqueologia em geral. Sobram críticas a Indiana Jones e seus colegas, o que não deixa de ser justo e divertido. Informação: De terça a sábado: de 11h às 19h Domingos e feriados: de 11h às 15h Entrada gratuita

Catedral Magistral dos Santos Justo e Pastor

Quando Alcalá de Henares era dominada pelos romanos e as perseguições aos cristãos começaram, os meninos Justo e Pastor não renegaram sua fé. Foram martirizados em 304 e mais tarde, foi erguida no mesmo local, a catedral em honra a sua memória. O templo recebe a denominação “magistral” porque os pregadores dali deveriam ter doutorado. A catedral, de 1514, é de estilo gótico, mas muito simples; e os altares laterais alternam o barroco e o renascimento, mas vários estão desativados. A cripta onde estão guardados os restos mortais dos santos não tem muitos ornamentos e somente a urna onde os restos mortais dos santos, trabalhada em prata, impressiona. O templo também guarda os restos mortais de são Diego de Alcalá. Ele nasceu em Sevilha, mas andou por todo país e morreu aqui, com fama de santidade. Um dado curioso: quando o príncipe Carlos de Áustria, filho de Felipe II, caiu doente, os médicos não hesitaram em buscar o corpo do santo e colocá-lo no quarto do enfermo para apressar a cura. Deu certo: o príncipe se salvou.

Informação: Horário:de 9 a 13h e de 17h a 20:30. Domingos e feriados de 10 a 13:30 e 18h a 20:30h Entrada:

  • Visita al templo Catedral y Centro de Interpretación: 2,50 €
  • Subida a la Torre: 2,50 €
  • Visita al Monasterio de San Bernardo: 2,50 €
  • Visita conjunta Catedral-Torre: 4 €
  • Visita conjunta Catedral-San Bernardo: 4 €
  • Visita conjunta Torre-San Bernardo: 4,50 €
  • Visita conjunta Catedral-San Ildefonso (Universidad): 5 €

 

Universidade de Alcalá DSC03456

Fundada em 1499 pelo cardeal Cisneros, a universidade Complutense, agora é conhecida como “Universidade de Alcalá”. O religioso queria uma renovação dos estudos do clero e escolheu esta linda cidade para fazer sua obra máxima. Os colégios ficavam foram dos muros de Alcalá de Henares e, por isso mesmo, ganhou um estatus especial de cidade-universitária. Ou seja: a instituição não estaria regida pelas mesmas leis da cidade e possuía até uma cadeia para aplicar punições aos alunos. Como a universidade foi ganhando prestígio, outras ordens religiosas trouxeram seus conventos e mosteiros pra cá, aumentando a importância de Alcalá. A universidade conheceu a fama até o séc. 19. Aqui, todos lamentam este período, pois foi quando a Espanha perdeu suas colônias na América e mergulhou em guerras civis. Em 1835, diante da falta de capital do governo espanhol, houve a desapropriação dos bens eclesiásticos e a universidade se viu privada de seus edifícios e foi obrigada a se transladar a Madri, sob a denominação de Universidade Complutense de Madri. Na década de 70, com a volta da democracia, Alcalá recupera sua universidade, mas não o nome da instituição. Nem preciso dizer que há uma rivalidade entre a Complutense e a de Alcalá. É possível conhecer um pouco mais dessa história através da visita guiada pelo edifício da Reitoria, onde originalmente aconteciam as aulas. Informação:

Endereço: Plaza de San Diego
Telefone: 91 885 64 87
Horario: de segunda a sexta-feira: Visitas guiadas 10.00 11.00 12.00 13.00 16.00 17.00 18.00 19.00
Horario Sábados: Visitas guiadas a las 11.00 12.00 13.00 14.00 16.30 17.30 18.30 19.30
Horario Festivos: Visitas guiadas a las 11.00 12.00 13.00 14.00 16.30 17.30 18.30 19.30
Precio de entrada: 4,5 euros / 3 euros reducida

 

Museu de Escultura ao Ar Livre DSC07206

Se der tempo e as pernas aguentarem, vale a pena percorrer um pouco o Museu de Escultura ao Ar Livre de Alcalá de Henares. Como o próprio nome já diz as obras estão dispostas ao longo da via Complutense, margeando as antigas muralhas da cidade. Inaugurado em 1993, pelo artista José Noja, lá se encontram esculturas figurativas ou abstratas enriquecendo o já enorme patrimônio artístico da cidade.


Compartilhe |


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers