Aranjuez

(post em 25/08/2014)


Para aqueles que, sabiamente, escolheram passar muito tempo em Madri sugiro outro passeio bate e volta. Já falei sobre Toledo, Alcalá de Henares e Segóvia, agora conto a vocês a respeito da cidade de veraneio da família real espanhola, a Petrópolis madrilenha: Aranjuez.

A cidade ficou conhecida também pelo concerto de Joaquin Rodriguez intepretado por todo violonista que se preze. Para quem não está ligando o nome à música deixo aqui a intepretação do segundo movimento com o incrível Paco de Lucia. Não faltam atrações nesta pequena cidade como o palácio Real, a Casa del Labrador e o Museu das Falúas Reales; e os lindos jardins decorados com fontes e estátuas. Declarada “Paisagem Cutural d Humanidade” em 2001 pela Unesco, Aranjuez está há quarenta minutos de trem de Madri e pode ser visitada em um dia.

Palácio Real em Aranjuez

Ao sair da estação de trem já se vê uma placa indicando o Palácio Real e a caminhada até o local dura uns 10 minutos. Atenção para quem quiser conhecer as outras atrações de Aranjuez porque os ingressos devem ser adquiridos ali. A melhor forma de se deslocar é utilizando o “trenzinho” que sai em frente ao palácio real. Ele passa por todas as atrações turísticas e você pode descer e subir de volta. Desta maneira você economiza energia para passear pelos jardins e também pelos museus.

Fui em um dia lindo de primavera e os jardins estavam floridos. Quem vai na primeira semana de setembro, porém, pode assistir a representação do Motín de Aranjuez, que revive a revolta dos habitantes da cidade contra o ministro do rei Carlos IV, Manuel Godoy. A peça é baseada no livro do escritor Benito Perez Galdós e são os próprios habitantes de Aranjuez que se vestem com traje de época para reviver este episódio histórico.

Mas, afinal, o que tem Aranjuez? Seguem abaixo as principais atrações da cidade:

Palácio Real – A construção foi iniciada por Felipe II com o mesmo arquiteto que edificou o El Escorial, Juan Batista de Toledo, no século 16. Porém, foi virtualmente abandonado até o século XVIII quando o rei Fernando VI deu novo impulso à obra. Entretanto foram os reis Carlos III e mais tarde, Isabel II, que consolidaram o palácio tal como se conhece hoje. Para quem visitou o Palácio Real de Madri tem a imprensão que o de Aranjuez é uma miniatura ou exatamente uma casa de veraneio, pois tem todo o conforto (e pompa) de uma casa real, mas em dimensões reduzidas. Ambos tem a mesma fachada e decoração neoclássica, e agumas salas parecidas, como a chinesa, a mudéjar e a de música.

Também estão ali o museu da “Vida do Palácio” onde estão os brinquedos dos príncipes, as roupas das rainhas e princesas, uniformes e espadas dos reis, além de quadros e outros objetos. Mas a maior emoção para mim foi ver os vestidos de noiva da rainha Sofia, das infantas Elena e Cristina e da agora rainha Letizia.

DSC09851

Jardim da Ilha (foto acima) – este jardim se encontra na ilha atrás ao palácio, e ainda conta com uma espécie de represa para os patos se refrescarem. O estilo do jardim é francês e quem vai na primavera ganha direito de vê-lo florido.

Jardim do Príncipe – este jardim tem 3 quilômetros de extensão e assim o melhor a fazer é conhecê-lo de trenzinho. Além das milhares de espécies de árvores e pássaros, os jardineiros também se esmeraram para criar esculturas com as plantas como esta capela feita em um cipreste. Dali também saíam os barcos, as falúas, que eram utilizados como meio de transporte ou diversão; e o bom é que estas embarcações estão reunidas em um museu.

DSC09803

Museu das Falúas – o acervo do museu consiste em gôndolas que foram presenteadas ou compradas por vários monarcas para dar uma volta no rio Tejo que corta Aranjuez. Aliás, este rio aqui é chamado de Tajo (nunca vou entender essa mania dos espanhóis traduzirem nomes próprios). Os barcos são verdadeiras obras de arte, com decoração, com direito a cobertura e esculturas de seres mitológicos.

Casa del Labrador – tenho que confessar que não a visitei, pois se encontrava em reformas. No entanto, tenho que mencioná-la porque é um pequeno palacete decorado ao estilo neoclássico do final so século 18, quando os motivos romanos e especialmente pompeianos estavam na moda.

Como chegar:

Línea de Cercanías C-3 (Estación de Atocha)

Na cidade, pegue o trem turístico (Chiquitrén) para ganhar tempo e poder visitar mais atrações. Não é um trem propriamente dito, mas um veículo a motor que simula vagões e uma locomotora. A saída é ao lado do Palácio Real.

Quanto ? Adultos 5 euros e crianças até 13 anos pagam 3 euros.

Palacio Real

Tarifa Básica 9 €

Horários:

Palacio Real, Real Casa del Labrador e Falúas Reais:

Horários de inverno (outubro a março) Terça a domingo: 10:00 – 18:00 *
Horários de verão (abril a septiembre) Terça a domingo: 10:00 – 20:00 *

Jardins- Horários

1 janeiro – 28 fevereiro 08:00 – 18:30
1 março – 15 março 08:00 – 19:00
16 março – último fim de semana de março 08:00 – 19:30
Último fim de semana de março – 15 junho 08:00 – 20:30
16 junho – 15 agosto 08:00 – 21:30
16 agosto – 30 setembro 08:00 – 20:30
1 outubro – último fim de semana de outubro 08:00 – 19:30
Último fim de semana de outubro – 31 dezembro 08:00 -18:30

Compartilhe |


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers