Entrevista – Silas Barbosa, pianista

(post em 18/01/2016)


O pianista Silas Barbosa se apresentou em Madri, na Sala Toccata en A, um repertório que incluiu a “Valsa da dor”, de Villa-Lobos. Em turnê pela Espanha, Silas Barbosa também toca em León, no dia 19, na Sala Eutherpe, às 20:00, e depois segue para a Suíça e a Sérvia, onde dará um recital em Belgrado.

Natural de Minas Gerais, atualmente mora no Rio de Janeiro, onde se formou pela Escola de Música da UFRJ. Detentor de vários prêmios como o primeiro lugar do XII Concurso Nacional Arnaldo Estrella e o do VII Concurso Nacional Villa-Lobos; Silas Barbosa nos conta um pouco da sua turnê pela Europa nesta entrevista:

1 – Seu repertório é bem vasto. Qual é o seu critério na hora de escolher uma peça e incluí-la nos seus recitais?

Sempre tive a preocupação de montar meu repertório de forma abrangente, incluindo obras do barroco ao contemporâneo. Na maioria das vezes, meus programas de concerto são formados por no máximo 4 compositores e eu sempre tenho o cuidado de intercalar obras contrastantes e que despertem o interesse no público.

2 – Como você vê o atual cenário para a música clássica no Brasil?

Como em qualquer outra área e em qualquer lugar do mundo, a profissão de músico tem seus pontos positivos e também negativos. Especificamente no Brasil, temos várias leis de incentivo à cultura, que ajudam bastante o artista independente. Converso com vários músicos estrangeiros e todos se assustam quando digo que no Brasil uma empresa pode patrocinar um projeto e abater 100% do valor doado de seus impostos devidos. As leis são ótimas, mas também péssimas, pois viciam a classe artística. Hoje praticamente nada da música erudita é feito sem um edital no Brasil, então o espaço está cada vez menor e mais competitivo.

Assim, para desenvolver uma carreira e sobreviver, o músico precisa ter uma formação ampla e sólida e ser capaz de se apresentar em recitais, assim como frente a orquestras e em grupos das mais variadas formações camerísticas. De qualquer forma, apesar das dificuldades, acho que estou me desenvolvendo bem e o cenário está positivo. Nos últimos anos, tenho me apresentado em festivais e como solista de algumas orquestras e em 2015 fiz uma turnê nacional com o espetáculo do dançarino Thiago Soares, que é bailarino da Royal Ballet de Londres.

Silas Barbosa

Silas Barbosa na Sala Toccata en A.Foto: Juliana Bezerra.

3- O que podemos esperar do concerto? Gostaria que você comentasse sobre o repertório que vai tocar em Madri.

Tocar no exterior sempre simboliza uma grande experiência. Sinceramente, não saberia afirmar o que os madrilenhos poderiam esperar, mas como qualquer artista eu espero que recebam minha musica de forma calorosa, pois tudo foi elaborado com muito afeto e um trabalho incansável.

Este programa em especifico é um panorama da evolução da escrita da literatura para teclado. Temos um barroco, um clássico, um romântico e um brasileiro com características de um romântico tardio.

4 – Por que só temos uma peça de um compositor brasileiro no programa?

O repertorio brasileiro erudito para piano é composto de obras muito importantes, mas todas com uma tendência contemporânea muito expressiva. Tenho obras de grandes compositores brasileiros, mas que não se harmonizariam tão bem com o restante do programa. Quando foi confirmada a tournée, pensei em priorizar a música do meu país, mas quando escolhemos um programa é necessário levar também o público em consideração, cultura local... Acredito que mostrar apenas Villa-Lobos é mais coerente com o restante do meu programa.

5 – E o futuro? Alguma gravação à vista? Como estão seus compromissos para este ano?

O futuro tem alguns compromissos marcados e outros projetos em andamento. Certamente, o segundo CD sairá este ano. O primeiro foi como vencedor do 3º Concurso Internacional Grieg- Nepomuceno e o próximo registro oficial será esse ano. O projeto já está em andamento e incluirá parte do repertorio que farei na tournée.

Igualmente, estou com recitais solos e de música de câmara agendados, bem como concertos com orquestra. Além disso, estarei em cartaz no teatro com a peça “33 Variações”, que tem como protagonista a atriz Nathália Timberg.

 


Compartilhe |


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers