Resultado da sua Busca

  • Teatro Real

    post em 07/05/2015

    Parece incrível, mas nunca tinha ido ao Teatro Real, logo eu que era rata do Theatro Municipal do Rio. Não chego a ser uma melômana, mas me defendo quando o assunto é canto lírico. Está certo que os preços dos espetáculos são bem salgados, mas deveria ter resolvido este problema antes. Decidi acabar com esta vergonha na Semana da Ópera, quando o preço da visita estava mais em conta. Ainda que tenha conhecido apenas parte do Teatro Real, pelo menos já deu para sentir o gostinho. Localizado na plaza Isabel II, a poucos passos do Palácio Real, a visita compreendeu alguns salões do teatro, o salão de beleza e o restaurante. Inaugurado em 1850 pela rainha Isabel II, o teatro tem cerca de 1700 lugares e camarote real que só é usado pelos membros da Família Real, obviamente. Aliás, não é raro ver a Rainha Sofia lá e os atuais soberanos prestigiaram este ano a estreia da obra "El Público", baseada na peça homônima do escritor Federico García Lorca, adaptada pelo compositor Mauricio Sotelo e o libretista Andrés Ibañez.   Durante o século 19, o teatro funcionou ao sabor das (muitas) viscissitudes econômicas da Espanha. Apesar disso, recebeu todo tipo de público e abrigou tanto as apresentações de flamenco quanto os concertos da Orquestra Nacional de Espanha antes dela ser transferida para o Auditório Nacional de Música. Inteiramente reformado e reinaugurado pelo rei Juan Carlos I e pela rainha Sofia em 1997, o teatro não tem a suntuosidade que esperamos de uma casa de espetáculo do século 19. Há quadros dos bem-feitores, cantores famosos e um busto de Farinelli, o famoso castratti italiano que fez muito sucesso na corte espanhola. Quem não conhece a história deste moço recomendo um ótimo filme cujo trailer pode ser visto aqui. O salão de beleza é um capítulo a parte. A fim de mostrar que uma ópera não é só estar no palco abrindo o gogó visitamos o salão onde os cantores são penteados e maquiados. Um quadro mostra a transformação que passou o barítono espanhol Carlos Álvarez para se transformar em "Rigoletto". Não resisti e dei uma espiada no cronograma que indicava que horas os intérpretes de "La Traviata" deveriam passar por ali para se arrumar. Violeta encabeçava a lista, claro. Agora o mais engraçado é que voltarei em julho, porém não para prestigiar nenhum compositor erudito. Estarei lá para aplaudir Caetano e Gil que estarão em turnê pela Europa! Atualizando - 08.07.16 Um ano depois quanta coisa mudou !! O show de Caetano e Gil me deixaram extasiada e faço questão de contá-lo para os turistas que recebo. Em 2016 fui à duas óperas: "A proibição de amar", de Wagner e à opera infantil, Brundibar, de Hans Krása. Também fui convida para jantar no Café de la Ópera, ali em frente, e jantar assistindo "La Traviata"., de Verdi. _________________________________________________________________ Visitas Guiadas ao Teatro Real Quando? De segunda a domingo, cada meia hora, de 10.30 a 13.00. Duração: entre 50 minutos e 1 hora. Compra de entradas: bilheteria do Teatro, a partir de 9: 15. Quanto? 8 euros - reduzida 6 euros. Em caso da visita não poder ser realizada de forma integral o valor é 6 euros para todos. Onde? Plaza Isabel II. Metrô Ópera L2 e L3. Gostou ? Saiba onde escutar ópera em Madrid. ​...

    » Ler mais
  • Real Igreja de Santo André

    post em 24/07/2014

    No bairro de La Latina, está localizada uma das mais antigas paróquias e igrejas da capital espanhola, a Real Igreja de Santo André. Dedicada ao apóstolo servia de capela quando os reis católicos se alojavam por aqui, daí o título de "Real".Lindo templo em estilo barroco que tinha entre seus paroquianos o santo padroeiro da cidade, San Isidro e sua esposa, Santa Maria de la Cabeza. Aliás, a atual igreja foi justamente ampliada e reformada no século 17, logo após a canonização do santo, para receber corpo de San Isidro. O corpo ficou ali um bom tempo para veneração dos fiéis, mas este foi transferido para a Colegiata de San Isidro em 1767, onde permanece. Ao lado, está a reconstruída casa do patrão de San Isidro que abriga hoje o museu das Origens (chamado também de museu de San Isidro). Em 1936, no início da guerra civil, o templo foi saqueado e queimado inteiramente. Não sei como era antigamente, mas hoje em dia é muito bonito por dentro e por fora. Imagino que as pinturas e esculturas barrocas deveriam ser impressionantes comparadas às de hoje, mas vale a visita. Para entrar no templo se passa por um pequeno jardim, que já serviu de cemitério, onde há uma imagem da Virgem. O interior está pintado de rosa-salmón-escuro ou seja lá o nome que tem esta cor, um tanto quanto inadequada para uma igreja. No altar está uma cruz simples, várias pinturas dos demais apóstolos e a cúpula decorada com detalhes dourados. Admire a cúpula do exterior ornada com estátuas dos apóstolos e as portas laterais, cada uma com uma imagem de um santo e decoração digna do barroco madrilenho. Onde ? Plaza de San Andrés, 1. Metrô La Latina, L5. Quando ? De 9h às 13h e de 18h às 20h...

    » Ler mais
  • Um roteiro Real

    post em 20/06/2014

    Agora que a proclamação do rei Felipe VI já passou é hora de fazer um pequeno recorrido por Madri para mostrar os pontos principais que estão ligados à vida do novo soberano e de sua família. Congresso dos Deputados - além de ser local de trabalho dos senhores deputados aqui prestaram juramento o rei Juan Carlos I e agora seu sucessor, Felipe VI. Visitas gratuitas, todos os sábados do ano (exceto agosto) de cada meia hora das 10.30 até as 12.30 horas; mediante apresentação do passaporte ou documento de identidade aceito na Espanha. Onde? Entrada pela Carrera de San Jeronimo.Metrô Banco de Espanha, L2. Obs: é sempre bom checar as datas antes: http://www.congreso.es/portal/page/portal/Congreso/Congreso/Informacion/Visita Igreja dos Jerônimos - o rei Felipe VI dispensou os símbolos religiosos e a missa após sua proclamação. Mas o seu pai, no dia seguinte, fez uma cerimônia religiosa nesse templo. Onde? Calle de Moreto, 4. Metrô Banco de Espanha, L2. Horário de setembro a junho: de segunda a sábado: 10 às 13 e de 17h às 20:30. Domingos e feriados religiosos: 09:30 às 14:30 e 17:30 às 20:30. Horário de julho e agosto: 10 às 13 e de 18h às 20:30. Domingos e feriados religiosos: 09:30 às 13:30 e 18:00 às 20:30. Palácio Real - já foi a residência dos soberanos, mas atualmente serve para cerimônias militares ou para receber os chefes de Estado ou Governo estrangeiros. Onde? Calle Bailén. Metrô Ópera, L2. Quando? Todos os dias de 10 às 18h. Consultar se há algum evento oficial previsto porque o palácio fecha nessas ocasiões. Quanto? Tarifa Básica: 11 De segunda a quinta de 16h a 18 h. (outubro a março) e de 18 a 20 h (abril a setembro), entrada gratuita para ciudadãos da União Europeia, e Iberoamericanos (Brasil incluído). Catedral de Almudena - esta catedral foi consagrada pelo papa João Paulo II, com a presença dos reis da Espanha em 93. Vale a pena procurar suas figuras esculpidas na porta do centro, na lateral da construção. Iguamente, o primeiro casamento realizado aqui foi o dos atuais reis, em 20 de maio de 2004. Onde ? Calle Bailén 10. Quando ? De segunda a domingo de 9:00 a 20:30 hrs. Sem interrupção. Gratuito. Igreja de Nossa Senhora de Atocha - após a cerimônia, a então princesa de Astúrias depositou seu buquê aos pés de Nossa Senhora cumprindo assim uma tradição. Também nesta igreja as duas filhas do casal, Leonor e Sofia, foram apresentadas à padroeira da família real. Onde? Av de la Ciudad de Barcelona, 1. Metrô Atocho, L1. Horário: todos os dias 7:30 a 13:00 y 17:30 a 21:00  ...

    » Ler mais
  • Palácio Real

    post em 02/12/2013

    Como todo mundo sabe, a Espanha é uma monarquia e toda monarquia tem seus palácios. Opa! Nossa presidente tem à disposição o Palácio da Alvorada e o Brasil é uma república...vá entender! Depois criticam aos reis por seus gostos. Bem, continuando o passeio pelo centro de Madri , nos deparamos com o Palácio Real ou o Palácio do Oriente. Habitado pela Família Real do século 18 até a década de 30, o palácio agora é usado para recepções a dignitários estrangeiros e outras atividades oficiais. Além de passear pelas ruas de Madri, também faço a visita guiada ao Palácio Real. Se precisar de uma guia brasileira em Madri, conte comigo! A construção é imponente e compactada e nos remete à antiga fortaleza árabe (alcázar) que se encontrava ali. O atual palácio teve sua construção iniciada em 1738 sobre os escombros da antiga residência real destruída por um incêndio. Coube a Carlos III (olha ele aí mais uma vez) terminá-lo 26 anos depois e ser o primeiro a usufruir das comodidades da casinha de estilo neoclássico e 3418 aposentos. Isso tudo?! Sim! O palácio tem 135 000 metros quadrados e é considerado o maior do gênero na Europa Ocidental. Claro que conhecemos somente as partes mais significativas, porém a visita é bastante detalhada e nos dá uma ideia tanto do projeto original como das modificações que foram sofrendo ao longo dos séculos de acordo com os gostos dos moradores. Antes de entrar no recinto faça um exercício de imaginação. Sabe aquelas estátuas que você viu na praça do Oriente, no Retiro ou nos Jardins de Sabatini? Pois é. Elas tinham como destino o teto do palácio, mas devido a um pesadelo da rainha Isabel de Farnesio, mãe de Carlos III, as estátuas foram espalhadas pela cidade. Como teria ficado a fachada do palácio com 112 estátuas de reis e rainhas? Deixe a sua mente vagar. Outro detalhe interessante na fachada pátio exterior é a inclusão de Atahualpa (foto) e de Montezuma, os dois imperadores derrotados na América pelos espanhóis, na lista de homenageados. Depois dessa pequena divagação é melhor entrar. O passeio começa na belíssima escada que dá acesso aos andares superiores. Neste pequeno espaço já nos deparamos com pinturas, tapeçarias e estátuas que nos deixam boquiabertos. Aproveite e tire fotos sem piedade, pois aqui é o único lugar onde está permitido fazê-lo. Aprecie a bela pintura do teto celebrando o triunfo da Espanha sobre as demais partes do globo, os leões no alto da escada e o escudo de Carlos V. No mais, é melhor guardar o espanto para a sala do trono, o salão dos banquetes e a sala de porcelana inteiramente enfeitada com este material. A decoração do palácio está pensada a exaltar os monarcas espanhóis, a nação espanhola e seus grandes feitos. Por isso abundam as referências às navegações, e aos domínios ultramar com elementos próprios da decoração da época como os candelabros, espelhos e a cor dourada. Aliás, estes dois elementos eram fundamentais em um tempo onde não havia eletricidade e se otimizava a iluminação através dos reflexos. Ao final da visita aos quartos estão exibidas a coleção de instrumentos musicais com Stradivarius incluídos. Estes são utilizados até hoje quando solicitados e é bom que seja assim porque um instrumento calado fica triste e morre. Além de visitar o palácio em si, o ingresso permite conhecer a fabulosa coleção de armas da Família ...

    » Ler mais
  • Cartão turístico – Madrid Card

    post em 25/10/2013

    O triângulo das artes madrilenho é visita obrigatória, mas –sejamos sincero – sai caro e há filas. Afinal, se você não se encaixa em nenhum das categorias que pagam menos, a entrada para o museu do Prado é 14 euros, o Thyssen-Bornemisza sai por 9 euros e o Reina Sofia, 8 euros. Para os amantes do futebol, ainda tem o tour Bernabéu, que inclui a visita ao estádio do Real Madri e o museu. Este é o mais caro: 19 euros (ui)! Porém, como nem sempre é possível ir nos horários gratuitos há uma forma de economizar. Afinal, o MadridCard é um passe para vários museus de Madri, incluído o quarteto citado no parágrafo anterior e com ele não é necessário ficar na fila, pois há entrada preferencial. Há distintas modalidades de 24h, 48h, 72h e 120h e o cartão é ativado na primeira vez que se usa. Se você comprou um cartão de 24 horas e a primeira vez que o utilizou foi na terça-feira, às 10 horas, ele vai expirar na quarta-feira, às 10 horas. Além disso, existem restaurantes e casas de show que participam da promoção reduzindo seus preços. Quer mais? Quem tem o Madrid Card não paga o suplemento do metrô para o aeroporto. É possível adquiri-lo on line (com desconto), mas também nos estandes de atenção ao turista espalhados pela cidade. A desvantagem fica por conta da síndrome do turista ansioso. Como visitar aquela imensidão que é o museu do Prado sabendo que você poderia estar em outro lugar para aproveitar o seu cartão? Igualmente, os museus listados no site podem confundir um pouco. Há espaços que são gratuitos para todos como o Palácio de Cristal (no parque do Retiro), o Espaço Cultural Telefonica, o CentroCentro (Palácio das Comunicações), La Casa Encendida e a ermita de Santo Antonio de la Florida. Tirando ansiedade e esses pequenos errinhos de propaganda enganosa, faça as contas e veja se vale a pena adquiri-lo e economizar uns trocados na capital espanhola. O Rumo a Madrid agora está no Instagram com o nome de @rumoamadrid. Siga a gente por lá!...

    » Ler mais
  • Música em junho

    post em 06/02/2016

    Parece que junho vai ser o mês da música em Madri. Antecipando os tradicionais festivais de verão, a cidade acolhe vários eventos musicais: o Mad Music City, Mad Cool Festival, Mulafest e o concerto em homenagem ao tenor Plácido Domingo, no estádio do Real Madrid. Será o efeito Eurocopa e Olimpíadas Rio-2016? Não sabemos, porém já trazemos as notícias para vocês dos festivais que estão confirmados e com entradas a venda. Paul MacCartney - 2 de junho O Beatle Paul vem a Madri depois de 14 anos de ausência e faz um show no estádio Vicente Calderón. Ingressos a venda a partir de 18 de março, através dos sites a través de Livenation.es, Ticketmaster y El Corte Inglés. Preços de 69 a 230 euros. Mad Music City - 15 a 19 de junho O Festival de música pop amplia seus horizontes musicais. A sede principal no Matadero, mas a ideia é inundar a cidade de música. Já confirmaram as bandas Izal e Modelo de Respuesta Polar. Mais informações (em espanhol): http://matmadfestival.com/ Mad Cool Festival - 16 a 18 de junho Mais informações (em espanhol): http://madcoolfestival.es/ Mulafest - 23 a 26 de junho Apesar de não ter confirmado algumas atrações, o festival urbano mais queridinho de Madri está divulgando seus eventos aos poucos. Mais informações: http://www.mulafest.com/ Plácido em Alma - 29 de junho O tenor madrilenho comemora seus 75 anos de vida com um concerto no estádio Santiago Bernabéu onde estará acompanhado da Orquestra Titular do Teatro Real. Recebe como convidados o cantor italiano Andrea Bocelli, o espanhol David Bisbal, a bailaora flamenca Sara Baras e o violinista Ara Malikian, entre outros. Mais informações e ingressos a venda: http://www.placidoenelalma.com/ Em julho tem Universal Music Festival no Teatro Real. Quanto custa ir ao teatro e ao cinema em Madri?...

    » Ler mais
  • Monumentos e obras de arte em Madri

    post em 20/09/2015

    Perguntei para minhas colegas do Blogueiros de Língua Portuguesa em Madri qual é o monumento, obra de arte ou edifício preferido delas aqui na capital espanhola. As respostas foram surpreendentes e abrangem todos os estilos possíveis. Minhas colegas não pouparam tinta - ou digitação para ficar mais moderno - e tive que dividir este post em duas partes. Hoje conheceremos um pouco das preferências de Paula Amaro (BiteMeMad), Tatiana Montovani (Efeito Fúria), Andrea Lima (Descubra Madrid) e Camila Levy (Consuladodeca) num passeio bastante interessante pela arte que podemos encontrar nos museus e nas ruas de Madri. Paula Amaro - BiteMeMad Guernica, de Pablo Picasso Minha obra preferida em Madrid é o Guernica, de Picasso, que está exposto no Museu Reina Sofía. É uma obra de grande impacto emocional, que retrata os horrores da Guerra Civil Espanhola e o que estava por vir durante a Segunda Guerra Mundial. Há muitas histórias ao redor desse quadro, mas pouco antes de ver o quadro pela primeira vez li uma versão que contava que os alemães (aliados a Franco) que bombardearam Guernica nem sabiam da existência dessa vila antes de receberem as ordens de liquidar a cidade. Além disso, esses bombardeios seriam apenas um 'treinamento’ para posteriores ações aéreas contras os inimigos aliados. Vendo o quadro você se dá conta da barbárie e das atrocidades que eram cometidas nos anos de guerra. É uma obra para ser vista com calma, já que é cheia de detalhes e simbolismos. Guernica, de Pablo Picasso - Museu Reina Sofia Onde? Calle de Santa Isabel, 52. Metrô Atocha, L1 Quando ? Segunda a Sábado 10:00 – 21:00 h. Fechado às terças. Domingo: 10h às 14:30. A partir de 14: 30 estão abertas somente algumas coleções. Quanto ? 8 euros – exposição permanente. 4 euros – exposições temporais. Tatiana Montovani - Efeito Fúria Fuente de Cibeles e La Fuente de Netuno, Ventura Rodríguez; e La Sirena, de Eduardo Chillida Nem todas as obras de arte de Madrid estão fechadas em Museus e para aprecia-las você não precisa de entrada. Três das minhas obras preferidas e que vão muito além da arte estão ao ar livre e podem ser tocadas e desfrutadas durante o tempo que você quiser. Começo pelas mais conhecidas, que para mim tem um valor sentimental muito forte. Fuente de Cibeles A Fuente de Cibeles, um dos pontos turísticos de Madrid, que ficam bem em frente à prefeitura da capital, no cruzamento entre a Calle Alcalá e o Paseo del Prado. Criada pelo arquiteto espanhol Ventura Rodríguez entre os anos de 1777 e 1782 e a figura da deusa Cibeles foi esculpida na mesma época, pelo escultor Francisco Gutiérrez Arribas, e colocada ali. Apesar de ser um ponto turístico da cidade, a Cibeles é, para quem curte futebol, um dos lugares mais emblemáticos de Madrid. É ali, ao redor da fonte, que os torcedores do Real Madrid comemoram seus títulos. Fuente de Cibeles Onde? Plaza de Cibeles, entre o Paseo de Recoletos, Paseo del Prado e a calle de Alcalá. Metrô Banco de Espanha, L2. Fuente de Neptuno Bem pertinho da Cibeles, a poucos passos mesmo, está outra obra mágica, a do deus Netuno. A Fuente de Neptuno, que fica no Paseo del Prado, foi criada pelo mesmo arquiteto que desenhou a Cibeles, mas construída alguns anos depois. A obra começou em 1782 e terminou em 1786. A figura de Netuno foi executada pelo escultor Juan Pascual de Mena. ...

    » Ler mais
  • Cinco lugares que você não vai conhecer em Madri, mas deveria

    post em 06/09/2015

    Em Madri há lugares tão bonitos que é difícil saber o que escolher. Há os obrigatórios como o Museu do Prado, o bairro das Letras e Parque do Retiro; os que ficam ao gosto de cada um como o estádio Santiago Bernabéu. Porém, existe a terceira categoria, a mais infame e injusta: lugares que não são visitados, simplesmente, pois estão longe da rota turística ou só é possível conhecê-los através de visitas guiadas que nem sempre se encaixam na agenda. Por isso, vou dar minha humilde contribuição. Quem sabe o turista amigo se anima ou então é o caso de uma segunda visita à cidade. Anime-se e programe-se! Igreja de San Antonio de la Florida - a igreja é linda e as pinturas do Goya impressionam. Infelizmente, ela está no meio de um bairro residencial cujo o único atrativo é...a própria igreja! Mas como você chegou até aqui, parabéns! Atravesse a rua e faça o caminho de volta beirando o rio Manzanares. Não que o rio seja maravilhoso, mas pelo menos vai ser bem melhor ficar o observando os patinhos brincarem na água do que um monte de edifícios. No final, chega-se ao Madri Rio, um parque cheio de quiosques e natureza.   Casa Museu Lope de Vega - visitar a Casa de Museu de Lope de Vega é voltar ao século 17. O "rival" de Cervantes manteve sua residência no bairro das Letras e ali faleceu. Reformada e transformada em um interessante espaço cultural só é possível visitá-la através de agendamento e com guia. Infelizmente, nem sempre há o horário disponível, por isso faça sua reserva indicando a preferência. Mesmo assim, o pequeno, mas o lindo jardim da casa, pode ser visitado sem problemas. Palácio de Linares - outra preciosidade, no centrão de Madri, que os turistas ignoram olimpicamente. A "casinha" dos marqueses de Linares deve ser visitada com guia e estas são realizadas somente sábados e domingos deixando poucas opções para quem não passa o fim de semana na cidade. Contudo, se você estiver por aqui, não deixe de ir, contemple as obras de arte e veja como era bom ser rico no século 19. Museu da Aeronáutica - para os amantes da aviação, a cereja do bolo. Aviões de guerra, transporte, civis; helicópteros de todos os tamanhos e funções. Além disso, painéis contando um pouco da trajetória da aviação espanhola, os pioneiros e herois de guerra. Como todo museu desta natureza, que precisa de (muito) espaço, a instituição está localizado no meio do nada com coisa nenhuma. Há uma estação de metrô perto, mas vou logo avisando que é preciso fazer uma bela caminhada até a entrada e de lá outra caminhada pelo museu. No verão vá mais cedo, se você não quiser sofrer de insolação. Parque del Capricho - o parque mais romântico de Madri está localizado no final da linha 5 do metrô. Outro caso de ser a única atração no meio de um bairro residencial, onde a única finalidade será visitar o próprio parque, ou então, complementar andando pelo parque ao lado, a Quinta de los Molinos. Apesar de fora de mão, ...

    » Ler mais
  • Madri: tudo o que você precisa saber para viajar

    post em 09/05/2015

    - A imigração já não pega pesado, mas por favor, esteja com passaporte válido, endereço do hotel e dinheiro suficiente para passar alguns dias por aqui. - Contrate um seguro de viagem. Todo mundo contrata o serviço de seguro na esperança que não vá usá-lo, mas é melhor estar prevenido. Nosso site tem parceria com a Real Seguro Viagem, um comparador de preços que indica qual é o seguro mais em conta. Se você fecha pelo Rumo a Madrid, ganho uma comissão, ajuda a manter o site no arcom várias dicas sobre Madri e todo mundo fica feliz! - Traga adaptador para a tomada e não esqueça que a voltagem aqui é 220v. - Todas as épocas são boas bastando você tirar o melhor de cada uma delas. O inverno é frio, mas é um charme andar de casaco; a primavera é linda, mas não se engane porque chove muito. O verão é um calor desgraçado, mas todos estão felizes e nas ruas. Finalmente, o outono é uma descoberta com tantas cores e tons de amarelo e dourado. - O fuso horário do espanhol é mais tarde. O povo aqui almoça às 14h e janta às 21h. É raro o restaurante fora da zona turística que esteja com a cozinha aberta antes de 13h. Portanto, programe-se. - Atenção aos preços. Ao contrário do Brasil, os restaurantes, cafés e bares podem cobrar diferentes valores dependendo onde o cliente for sentar. Há um preço para o balcão e outro para a mesa e a varanda. No entanto, isso estará bem avisado no cardápio ou nas paredes do estabelecimento. - Não estranhe o tratamento rude de alguns garçons e comerciantes. Por natureza, os espanhóis são mais diretos, não puxam papo com o cliente e não sorriem quando vão te atender. Nada pessoal. - Ainda que praticar a siesta numa cidade grande como Madri é difícil, a maioria do comércio respeita esta regra. Sempre verifique o horário de funcionamento das pequenas lojas. - O período da liquidação de inverno vai de 7 de janeiro até fim de fevereiro e a de verão, de julho ao fim de agosto. - Tem programa para todos os gostos e para todas as idades. A noite madrilenha é animada e vai acontecendo literalmente de bar em bar. - Tem programa para todos os bolsos. Aproveite os horários gratuitos dos museus, gaste a sola do sapato e entre em todas as igrejas possíveis para ver boa arte. - Festas de rua: 5 - 6 de janeiro, se comemora o dia de Reis. Na Semana Santa, tem procissão que vale pelo lado antropológico do assunto. Dia 23 de abril é dia do Livro e todas as livrarias ficam abertas até mais tarde, oferecem descontos, palestras e fica um clima bem legal pelas ruas. Em maio, no dia 15, festa de San Isidro, é tradição fazer picnique com os amigos e se vestir de roupas típicas, caso não chova. Geralmente, na última semana se junho acontece o Orgulho Gay. Em novembro tem o festival gastronômico no bairro de Lavapiés, o Tapapiés. - Em dia de jogo é preciso ir mais cedo visitar o estádio Santiago Bernabéu ou o Vicente Calderón, por ...

    » Ler mais
  • Feira de Turismo Internacional – Espanha

    post em 30/01/2015

    Como era de se esperar, a anfitriona do evento se apresenta em grande estilo. Com pavilhões inteiramente dedicados às suas cidades e comunidades autônomas, a Espanha joga pesado em mostrar o melhor de si para os estrangeiros que visitam a Fitur. Exploramos à exaustão o pavilhão que concentrava a Comunidade da Andaluzia com todas as suas cidades emblemáticas: Sevilha, Cádiz, Córdoba, Granada, Jaén, etc. Atores e figurantes vestidos de mouros, cavaleiros e rainhas passeavam pelo recinto. Quando vi a rainha Isabel, a Católica, deixei a vergonha de lado e tirei foto com a moça. Depois, partirmos para Comunidade Valenciana, onde mostravam as Fallas com direito a desfile das rainhas pelos salões da feira. O melhor, porém, estava por vir. No meio de tantos estandes padronizados, assépticos e cheios de telas, o estande de La Rioja ganhou no quesito originalidade construindo um tonel de vinho onde degustamos a bebida. A foto não faz justiça ao trabalho desta região. Sorry! Mas...e Madri ? Como a cidade se mostra ? Bem, a capital espanhola que vem apostando no turismo de compras preferiu se apresentar, desta vez, como cidade do futebol. Para isso, montaram um mini campo de futebol, com direito a cadeiras de estádio, fotos do Atlético e do Real Madri e ainda desafiavam os presentes a bater um penalti virtual. Quando visitei, a responsável pelo turismo de Alcalá de Henares, contava as maravilhas da cidade natal de Cervantes e convidava a todos a descobrirem. Deu vontade de pedir a palavra e dizer que tudo era verdade, que Alcalá era linda demais !! No mais, adorei a feira como sempre. Esse ano ainda foi mais especial porque contei com a inestimável companha de Vivian, do blog Vivi em UK e pudemos dividir nossas impressões. Ano que vem tem mais !...

    » Ler mais

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers