Teatro Real

(post em 07/05/2015)


Parece incrível, mas nunca tinha ido ao Teatro Real, logo eu que era rata do Theatro Municipal do Rio. Não chego a ser uma melômana, mas me defendo quando o assunto é canto lírico. Está certo que os preços dos espetáculos são bem salgados, mas deveria ter resolvido este problema antes. Decidi acabar com esta vergonha na Semana da Ópera, quando o preço da visita estava mais em conta. Ainda que tenha conhecido apenas parte do Teatro Real, pelo menos já deu para sentir o gostinho.

Localizado na plaza Isabel II, a poucos passos do Palácio Real, a visita compreendeu alguns salões do teatro, o salão de beleza e o restaurante. Inaugurado em 1850 pela rainha Isabel II, o teatro tem cerca de 1700 lugares e camarote real que só é usado pelos membros da Família Real, obviamente. Aliás, não é raro ver a Rainha Sofia lá e os atuais soberanos prestigiaram este ano a estreia da obra “El Público”, baseada na peça homônima do escritor Federico García Lorca, adaptada pelo compositor Mauricio Sotelo e o libretista Andrés Ibañez.

Teatro_Real_Madrid_royal_box

Camarote Real. Se nenhum membro da Família Real está presente, as portas permanecem fechadas.

 

Durante o século 19, o teatro funcionou ao sabor das (muitas) viscissitudes econômicas da Espanha. Apesar disso, recebeu todo tipo de público e abrigou tanto as apresentações de flamenco quanto os concertos da Orquestra Nacional de Espanha antes dela ser transferida para o Auditório Nacional de Música.

Teatro_Real_Madrid_Salón_Azul

O Salão Azul com seu espelho de cristal de murano.

Inteiramente reformado e reinaugurado pelo rei Juan Carlos I e pela rainha Sofia em 1997, o teatro não tem a suntuosidade que esperamos de uma casa de espetáculo do século 19. Há quadros dos bem-feitores, cantores famosos e um busto de Farinelli, o famoso castratti italiano que fez muito sucesso na corte espanhola. Quem não conhece a história deste moço recomendo um ótimo filme cujo trailer pode ser visto aqui.

O salão de beleza é um capítulo a parte. A fim de mostrar que uma ópera não é só estar no palco abrindo o gogó visitamos o salão onde os cantores são penteados e maquiados. Um quadro mostra a transformação que passou o barítono espanhol Carlos Álvarez para se transformar em “Rigoletto”. Não resisti e dei uma espiada no cronograma que indicava que horas os intérpretes de “La Traviata” deveriam passar por ali para se arrumar. Violeta encabeçava a lista, claro.

Agora o mais engraçado é que voltarei em julho, porém não para prestigiar nenhum compositor erudito. Estarei lá para aplaudir Caetano e Gil que estarão em turnê pela Europa!

Atualizando – 08.07.16

Um ano depois quanta coisa mudou !! O show de Caetano e Gil me deixaram extasiada e faço questão de contá-lo para os turistas que recebo.

Em 2016 fui à duas óperas: “A proibição de amar”, de Wagner e à opera infantil, Brundibar, de Hans Krása.

Também fui convida para jantar no Café de la Ópera, ali em frente, e jantar assistindo “La Traviata”., de Verdi.

_________________________________________________________________

Visitas Guiadas ao Teatro Real

Quando? De segunda a domingo, cada meia hora, de 10.30 a 13.00.
Duração: entre 50 minutos e 1 hora. Compra de entradas: bilheteria do Teatro, a partir de 9: 15.

Quanto? 8 euros – reduzida 6 euros. Em caso da visita não poder ser realizada de forma integral o valor é 6 euros para todos.

Onde? Plaza Isabel II. Metrô Ópera L2 e L3.

Gostou ? Saiba onde escutar ópera em Madrid.


Compartilhe |


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers