Tordesilhas

(post em 29/02/2016)


Uma das primeiras cidades espanhola que todo brasileiro ouve falar em sua vida não é Madri, nem Barcelona: é Tordesilhas! Por causa do tratado, assinado entre o Portugal e os reinos de Castilla e Aragão, escutamos esse nome ao longo da vida escolar. Afinal, Tordesilhas nos deu uma certidão de nascimento e ainda definiu por que o Brasil é o único país das Américas a falar português.

Assim, após a viagem que fiz a Zamora, decidi não adiar mais o sonho e conhecer de perto aquele pedaço de terra que viu nascer Pindorama. Para os espanhóis, entretanto, o tratado não é tão importante. Para eles, a cidade é sinônimo de ter albergado como prisioneira a rainha dona Juana I, a Louca; é onde fica o fabuloso Real Convento de Santa Clara e se realiza a festa do Toro de la Vega.

Como não poderia deixar de ser quando se trata de Espanha, come-se muito bem em Tordesilhas e se bebe, principalmente, o vinho Douro, posto que o rio corta a região.

Tordesilhas está a duas horas de carro de Madri. Em 1494, ano da assinatura do Tratado, tinha 3.500 habitantes. Atualmente, conta com 8,500 e um centro histórico praticamente inexistente, pois o casario antigo desapareceu. Por isso, um dia inteiro já está de bom tamanho ou para completar o fim de semana, visite a igualmente interessante Medina del Campo há 22 quilometros de distância. Foi o que fiz e valeu a pena.

A melhor maneira de chegar em Tordesilhas é de carro e pelo nosso site é possível encontrar um possante que caiba no seu bolso. Igualmente, aproveitei uma promoção de inverno do Parador e fiquei hospedada ali.

Confira alguns lugares imperdíveis desta pequena localidade:

Casa do Tratado – apesar de irresistível e uma das principais atrações turística do local, a casa é o local “provável” da assinatura.

Também alerto que o visitante não verá o documento original, que está em Sevilha, mas sim as cópias. No segundo andar um cenário simples com uma mesa coberta com uma toalha com os escudos dos dois reinos e manequins, simulam o momento da firma entre os representantes dos dois soberanos.

Ora, se tudo é cópia ou falso, onde está a graça? Ao contrário do que alguns professores nos ensinam na escola, História tem muito de imaginação.

01_03_2016_08_15_12

A exposição começa com as maquetes das caravelas de Pinta, Santa Maria e Niña, passa pelos instrumentos e livros de navegação, e apresenta os personagens que estavam envolvidos diretamente com o Tratado como os reis de Castilla e Aragão, Isabel e Fernando, o rei português João II, Cristovão Colombo e Pedro Álvares Cabral, entre outros.

No segundo andar, uma vitrine expõe os produtos que os europeus trouxeram da América como açúcar e tabaco.

O mais interessante são os mapas mundis que eram conhecidos naquela época. Assim temos um de origem árabe, onde a Arábia Saudida é o centro do mundo até as cartas de navegação italiana.

Depois, como a cartografia teve que se ampliar para incluir a América, após a chegada de Colombo e Cabral na América, vemos os primeiros rascunhos do Novo Mundo. Foi uma delícia reviver meus tempos de estudante de História quando os professores nos explicavam sobre esses documentos tão importantes. Esta parte é super bem contada e lamentei não estar em sala de aula para mostrá-la aos meus alunos!

01_03_2016_08_13_26

Quando? Inverno: 10 a 13,30 y de 16 a 18,30; Verã0: 10 a 13,30 y de 17 a 19,30
Domingos de 10 a 14; Segunda fechado.

Gratuito


Museo de São Antolín (Museu de Arte Sacra) – mais um museu de arte sacra? Já não basta o tanto de igreja que se visita nas Zoropa? Isso também pensava eu antes de entrar, mas este é especial, pois fica na antiga igreja de São Antolín. O teto ainda preserva a pintura original, embora esteja mal conservada, dá pra perceber que devia ser esplendorosa.

Além disso, o mais emocionante é a Capela de Pedro Alderete onde está a estátua funerária deste cavalheiro, ricamente esculpida em alabastro. O melhor que é possível chegar pertinho, sem nenhuma “cordinha de proteção” impedindo!

Dá pra fazer a mesma coisa com o retábulo do altar que conta com esculturas do século 16. Em que igreja se poderia estar exatamente abaixo de uma obra de arte desta envergadura?

01_03_2016_08_17_42

Ali também era o lugar que a rainha dona Juana I ficou reclusa 46 anos sob alegação que ela padecia de problemas mentais. Em um dos aposentos está recriado o famoso quadro que a retrata num dos seus desvarios, “La Demencia de Doña Juana”, 1867, de Lorenzo Vallés (Museo del Prado); e enfrentando 57 degraus, se tem acesso à terraça onde ela passeava e de onde se contempla uma linda vista de Tordesilhas.

Depois, vá à praça em frente e tire uma fotinho com a estátua da soberana e complete seu tour real.

01_03_2016_08_22_09

Tordesilhas valoriza tanto a figura da rainha Juana que todos os anos, no mês de março, se revive o dia da sua chegada à cidade, em 1509, com toda pompa e glória. Não disse que história tem um bocadinho de imaginação?

DSC08322

Quando? Dezembro, janeiro e fevereiro aberto únicamente sábados e domingos (exceto durante o feriado da Constituição, 6 de dezembro).

De terça a sábado de 11,30 a 13,30 e de 16,30 a 18,30 (Inverno) ou de 17 a 19 h. (verão) Domingos de 11,30 a 13,30 h. Domingos tarde e segunda, fechado.

Quanto? 2 euros.


Real Convento de Santa Clara – assim como o Mosteiro das Descalças Reais e da Encarnação, em Madri, este convento faz parte do Patrimônio Nacional espanhol pelo valor histórico e das peças que se encontram no seu interior. Só é possível visitá-lo através de um tour guiado, portanto, fique atento aos horários.

O edifício foi levantado como palácio por Alfonso I, no século 14; e os artesãos que os decoraram eram mouriscos que trouxeram o estilo mudéjar com motivos florais, arcos de e figuras geomértricas para os salões e as fachadas. 20 anos depois de iniciada a construção, o dono decidiu que seria um convento e aos poucos, as novas residentes foram mudando o uso e função dos aposentos.

Com oito monjas ainda vivendo por ali, não temos acesso a todo edifício. Porém visitamos o antigo refeitório, presente do rei Felipe II, todo realizado em madeira e com os escudos de Castela e Leão nas paredes. Igualmente, temos acesso a sala capitular onde se contempla pinturas de estilo gótico-tardio sobre o Calvário e a Anunciação.

Porém a cereja do bolo está no final quando entramos na igreja. O teto pintado com dragões, símbolo da dinastia Transtâmara! Também o teto do altar-maior foi feito em estilo moçárabe, em abudante dourado e vermelho e é difícil conter um “oooooh” ao ver esta maravilha. Na sacristia, obras de várias épocas e estilos retratando santa Clara e demais santos franciscanos.

A visita finaliza com a ida aos banhos árabes que funcionaram ali. Ainda é possível vislumbrar a decoração na parede e no teto. Lembrando que em Madri é possível viver esta experiência de tomar um banho árabe no Hamman Al-Andalus.

Quando? Terça a sábado: 10 a 14 e de 16 a 18.30. Domingos e feriados: de 10.30 a 15
A bilheteria fecha uma hora antes. Segunda-feira: fechado.

Dica: é possível (e recomendável) comprar a entrada pela web:https://entradas.patrimonionacional.es/es-ES/informacion-recinto/9/monasterio-sta-clara

Quanto? 6 euros

E agora? Ficaram com vontade de conhecer Tordesilhas?

 

Post revisado em 28.09.2018

 

 

 


Compartilhe |


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Copyright © 2013 Rumo a Madrid

Criação e desenvolvimento Guttdesign

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers